O MONTE SINAI E O SANTUÁRIO

A questão de quem é o autor do livro de Êxodo está estreitamente relacionada com a de todos os livros do Pentateuco, Génesis em particular, do qual é a continuação. O livro do Êxodo é muito importante no problema de identificar o autor do Pentateuco, dado que alguns de suas declarações designam a Moisés como o autor de partes específicas dele.
O uso de muitas palavras egípcias e a descrição exacta da vida e os costumes egípcios que aparecem na primeira parte do livro sugerem com muita ênfase que o autor tinha sido educado no Egito e estava intimamente relacionado com o país e a sua cultura. Nenhum outro hebreu conhecido depois do tempo de José esteve capacitado para escrever o relato do Êxodo. Só Moisés parece ter sido "ensinado ... em toda a sabedoria dos egípcios". Entretanto, a evidência mais firme de que Moisés é o autor encontra-se no Novo Testamento. Em Marcos 12:26, Cristo refere: "o livro de Moisés".
O Êxodo, a continuação do Génesis abrange apenas 80 anos. O propósito principal de Moisés ao escrever o Êxodo foi descrever a maravilhosa intervenção de Deus a favor do seu povo escolhido ao libertar o mesmo da escravidão, e a sua bondosa condescendência ao realizar um pacto com eles. O tema que atravessa todo o livro como um fio de ouro é o propósito de demonstrar que nem a repetida infidelidade do povo escolhido nem a oposição da maior nação da terra podiam destruir o plano de Deus. Os relatos do Êxodo falam à aventura com Deus que os jovens podem e devem desfrutar e fortalecem a fé dos mais idosos. Exigência de confiança na direção de Deus ontem e hoje, exigência de humildade a todo e qualquer que siga a peregrinação para Canaã (a Celeste).
O nome Êxodo tem uma ligação com o seu tema principal, a saída, dos israelitas do Egito, foi tirado da Vulgata por aqueles que traduziram para os idiomas modernos.
Vemos no Sinai a incorporação de Israel como igreja e como nação sob a teocracia. Essa forma de governo continuou até quando os judeus disseram as palavras "Não temos outro rei senão César". O processo no Sinai incluiu a construção do Tabernáculo.
Moisés estava familiarizado com a região do Sinai, porque foi lá onde Deus lhe falou na sarça ardente. Todas as experiências aí vividas devem ter cruzado a mente de Moisés enquanto subia ao monte. A sua fé deve ter sido muito fortalecida pela difícil tarefa de liderar, pois estava por cumprir a promessa do Senhor de que Moisés e os israelitas adorariam a Deus nesse lugar Ex 3:2 e 12.
Os israelitas chegam ao monte Sinai. Deus dá a Moisés uma mensagem para o povo, e este desce para dar tal mensagem. A resposta do povo é levada a Deus. O povo prepara-se. Ninguém devia aproximar-se nem tocar o monte. Há uma manifestação da presença de Deus no monte.
Podemos perceber os grupos de pessoas neste aspecto: um grupo fica no sopé do Monte, outro vai até uma parte da montanha, Moisés aproxima-se de Deus. Dessa maneira conseguimos visualizar as cenas do santuário.
Perceba como o santuário pode ser visto. Na planície está o pátio com os pecadores, o povo; os sacerdotes vão até parte do caminho, o lugar santo; mas à presença de Deus vai apenas Moisés, o sumo-sacerdote no lugar santíssimo, nesta ocasião os Dez Mandamentos são dados, exactamente no lugar santíssimo. Amém!
Em ter demarcado um lugar ao monte, o Senhor queria revelar a realidade, extensão e proximidade de seu poder destruidor. Mostrou aos homens o que esse poder podia fazer se eles eram tão atrevidos ou negligentes para se colocarem dentro do legítimo alcance daquele poder.
Embora Deus esteja connosco, não o percebemos totalmente, mas quando realmente se revela, todos tremem diante dEle. A debilidade treme diante da fortaleza, a pequenez se encolhe diante da grandeza, o homem finito volta-se insignificante para a presença do Infinito e a depravação moral ante a pureza absoluta.
Nota: Crêem alguns, que este é o concerto das obras, porque deviam guardar todas as leis, mas guardar estas leis é algo que nasce de um acordo, um concerto. É bem verdade que não estava em primeiro plano e aparentemente se limitava somente a Israel, mas a graça lei são companheiras na magnífica manifestação de Deus. O Senhor tratou com os patriarcas graciosamente. Na própria lei pode-se encontrar a graça. A escolha de Israel como povo eleito, por exemplo, é atribuída à livre escolha de Deus, e não à retidão de Israel. Quando Deus diz: "vós sereis o Meu povo", Ele está a dizer "sereis a Minha nação eleita, de todas as nações do mundo Eu escolhi-vos a vós" - isto é eleição, escolha, e é através da graça de Deus que Israel foi escolhido. Portanto, este velho concerto está fundamentado na graça e misericórdia de Deus. Agora, Deus escolhe e estabelece esta nação como a Sua nação eleita, e então dá a esta nação todas as leis. Dá leis religiosas e políticas, que chamamos de leis civis. Como parte destas leis religiosas estão as leis cerimoniais do santuário, ao considerarmos estas leis, veremos o sacrifício, a expiação. Não é possível dizer, portanto, que este concerto é um concerto de obras, quando as próprias leis estão providenciando agora o sacrifício para a expiação. O povo que estava ao pé do Sinai, entrou em um relacionamento de concerto com este Deus, como consequência deste concerto, eles guardaram as leis. O velho e o novo concertos são estabelecidos na graça. Vemos esta graça mais claramente na cruz. Mas aqui vemos a graça no sistema de sacrifícios e vemos também na eleição de Israel, portanto, ambos são baseados na graça.
A última metade do livro fala como o santuário deveria ser construído. E eles de fato construíram o santuário desta forma. A segunda parte do capítulo 20 diz "constrói um altar" e agora, no capítulo 24, vemos a realidade, um altar que é construído por Moisés. Poderíamos chamar este de um altar "temporário", um altar que é usado até que o santuário seja construído. A construção levou um ano, durante este ano em que a construção estava em andamento, este era o altar que era usado. Deus não esperou um ano para que o sistema de sacrifícios se iniciasse. No primeiro momento em que Moisés desce da montanha ele construiu o altar e ofereceu sacrifícios sobre este altar. Notem o que ele fez com o sangue deste sacrifício: parte do sangue é derramado ao pé do altar e o resto é espargido sobre o povo; isto significa que este concerto está sendo ratificado, estabelecido.
No restante do Livro de Êxodo, há algumas instruções sobre como construir o santuário.
Nos capítulos 25-30 vemos a "instrução", nos capítulos 36-39 a "construção", no capitulo 40 Deus diz como o santuário deve ser construído.
O princípio sobre o qual todas estas instruções são estabelecidas, começa do Santíssimo e vai para fora. O princípio é iniciar do lugar mais santo. Portanto, quando Deus dá a instrução, Ele diz como construir este mais santo, depois o santo e logo o pátio, finalmente, tudo o que está ao redor. E quando eles começam a trabalhar, fazem na mesma ordem: do mais santo em direção ao menos santo.
Quando Deus diz como montar, eles também montam nesta mesma ordem.
O propósito final no livro do Êxodo, é que Deus pudesse habitar no meio deles. O verso seguinte fala de como Moisés deveria construir este santuário - segundo o modelo que lhe foi mostrado no monte. A pergunta é a seguinte: O que Moisés viu? Há três idéias sobre o que Moisés viu:
1. Santuário celestial;
2. Modelo do santuário celestial;
3. Modelo do santuário terrestre.
Primeiro Deus mostrou a Moisés, depois deu a ordem para construir. Como eles colocaram para funcionar este tabernáculo?
Depois de concluído, fizeram a UNÇÃO de cada objeto do santuário, depois a tenda também é ungida.
As pessoas são ungidas (Arão e seus filhos).
Esta unção é um sinal de que agora o santuário entra em serviço, foi inaugurado. Ele é ungido, portanto, para um serviço específico.
Ex 25:8 "E me farão um santuário, e habitarei no meio deles". Ai encontramos a razão básica do santuário que é habitação de Deus.
Podemos conhecer uma pessoa pela maneira como decora sua casa. A disposição da mobília do santuário aponta para como é Deus.
Deus é o Rei. Sua casa tem dois ambientes: em um Ele mora, no outro ele governa.
É impossível em linguagem humana descrever a Deus exatamente assim como Ele é. Por isso, as páginas da Bíblia estão repletas de vislumbres de Sua pessoa. Há no entanto um atributo de Deus que tem sido negligenciado, Deus é um artista.
Deus deu a planta. Determinou a forma e as medidas com as quais tudo deveria ser construído, determinou como seria o louvor, a forma do culto.
Deus deu instruções específicas inclusive sobre as vestimentas que deveriam ser usadas no santuário. As vestimentas deveriam ser para a glória de Deus. Estas mesmas vestes apresentavam um papel tão importante que até elas também foram ungidas.
É interessante notar alguns detalhes quando da marcha do povo. As bandeiras levadas pelas várias tribos em sua ordem de marcha parecem indicar algum aspecto da obra de Jesus no plano da salvação.
01. Moisés, Arão e os sacerdotes iam na frente, como é natural, levando a Arca de Deus. Estes eram seguidos por Judá, Issacar e Zebulom, sendo que a bandeira de Judá que precedia o grupo tinha em si, desenhada, uma cabeça de leão, representando Jesus como o "Leão da Tribo de Judá" no livro do Ap 5:5.
02. Na ordem seguinte vinha um grupo da tribo de Levi, com os pertences do tabernáculo, sendo seguidos por Rúben, Simeão e Gade. Sua bandeira tinha a face de um homem, representando Jesus como o "Filho do Homem", conforme é apresentado no Evangelho de Lucas.
03. Os coatitas, outro grupo da tribo de Levi, com o mobiliário do santuário, excepto a Arca Sagrada, vinham a seguir, e depois as tribos de Efraim, Manassés e Benjamim. Sua bandeira tinha a cabeça de um boi, representando Jesus como o que leva as cargas humanas, conforme é apresentado no Evangelho de Marcos.
04. Os gersonitas, outra parte da tribo de Levi, vinham a seguir, levando as cortinas e reposteiros do tabernáculo, seguidos pela tribo de Dã, Aser e Naftali. Sua bandeira ostentava uma águia (que tudo vê), representando Jesus como Omnipresente e Omnisciente, conforme apresentado no Evangelho de João.
OS MÓVEIS DO SANTUÁRIO NO PÁTIO
a) Altar de Sacrifícios e a Pia
No átrio ou pátio estava o altar dos sacrifícios onde os holocaustos ascendiam como cheiro suave ao Senhor Lv 1:9, símbolo de Cristo que "Se entregou a Si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus em aroma suave" Ef 5:2. Também havia uma bacia para lavar Ex 30:18. A água também representa o Espírito Santo Jo 7:37-39, a Palavra João 13:10; 15:3; Ef 5:26 e o baptismo Jo 3:5; Rm 6:3-6; 1 Jo 5:8.
NO INTERIOR DO SANTUÁRIO (No lugar santo)
b) Candelabro, Mesa dos Pães e Altar de Incenso
Entrando no lugar santo, à direita se encontrava a mesa dos pães Ex 25:30 com 12 pães feitos de flor de farinha Lv 24:5, representando a Jesus, o pão da vida Jo 6:48 e ao corpo espiritual de Cristo, sua igreja 1Co 10:17. No lado esquerdo estava o candelabro de ouro Ex 40:24 que tinha 7 lâmpadas Ex 25:37 que ardiam continuamente Lv 24:2. João viu o candelabro no céu Ap 1:12 e as sete lâmpadas ardendo diante do trono de Deus Ap 4:2, 5 e a Jesus no meio dos candelabros Ap 1:12-18. Jesus mesmo disse que Ele é a luz do mundo Jo 8:12.
Diante do véu do lugar santíssimo estava o altar de incenso Ex 30:1-3; 40:26. Ali o sacerdote queimava incenso de pela manhã e pela tarde Ex 30:7-8. No Apocalipse João viu um altar de ouro diante do trono de Deus no céu Ap 8:3 e diz que muito incenso subia com as orações dos santos Ap 8:3, 4. O incenso são as orações dos santos Ap 5:3.
NO LUGAR SANTÍSSIMO:
c) Arca da Aliança
O lugar santíssimo era o mais sagrado. Ali se encontrava a arca Ex 26:33, toda recoberta de ouro. Acima dela estava o propiciatório, uma espécie de tampa sobre a qual haviam dois anjos esculpidos. Apocalipse diz que João viu a arca de Deus em Seu santuário Ap 11:19. Sobre o propiciatório era visível a presença de Deus Ex 25:21-22. João também viu o Senhor sentado sobre um trono excelso Ap 4:2.
Toda a magnificência do santuário visava impressionar a alma humana com a grandeza de Deus e de Seu amor.
Finalmente acabou Moisés a construção do tabernáculo.
Assim como a construção do tabernáculo o preparou para que fosse a morada do Senhor, assim também a glorificação da igreja abrirá o caminho para que o "tabernáculo de Deus" esteja "com os homens" Ap 21:3. Assim como o povo participou com Moisés na construção do santuário terrestre, assim também Cristo nos convida a ser colaboradores com ele na edificação de sua igreja 1Co 3:9; 2Co 5:19-21; 6:1. Quando o tabernáculo foi erigido, não lhe faltava nada para ser perfeito. Assim será quando a igreja finalmente for glorificada, nada haverá que nos impeça a perfeição.
Imaginemos então, a tensão vivida pelo povo para contemplar a sagrada estrutura pronta. E enquanto contemplavam com reverente satisfação, a coluna de nuvem flutuou majestosamente sobre o tabernáculo, descendeu e o envolveu. Desta maneira Deus demonstrou sua aprovação de tudo o que se foi feito. O Senhor aceitou a casa que lhe tinha sido preparada. Com profunda emoção o povo viu o sinal de que a obra de suas mãos tinha sido aceita. Agora se dava conta de que Deus mesmo habitaria entre eles e acompanhá-los-ia na sua viagem, Núm. 9:15-23.
O livro do Êxodo conclui adequadamente com uma sublime manifestação da glória e do poder de Deus. Termina como terminará a história deste mundo, com a descida da glória do Senhor para morar entre os homens, o ajuntamento de todos da nação para todo o sempre, Apoc. 21:3; 22:5.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Enviar um comentário